Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Página Inicial
Currículos
Regina Silveira
Kazuo Wakabaiashi
Oswaldo Goeldi
Rubens Gerchman
Maria Tomaselli
Paulo Amaral
SALA IBERÊ CAMARGO
Miniquadros
Aldemir Martins
Alexandre Reider
Angela Lopes
Beth Mello
Beatriz Balen Susin
Augusto Rodriguês
Alice Soares
Alice Brueggmann
Vitório Gheno
Sansão Pereira
Paulo Marinho
Érico Santos
Alexandre Reider
Yugo Mabe
Vasco Prado
Tomie Ohtake
Suzana Sommer
Siron Franco
Sérgio Lopes
Paulo Houayek
Marcelo Grassmann
Juarez Machado
José Paulo Moreira da Fonseca
José Moraes
Iberê Camargo
Frank Schaeffer
Francisco Stockinger
Fernando Ikoma
Fernando Baril
Fang
Enrico Bianco
Edy Gomes Carollo
Domenico Lazzarini
Darcy Penteado
Clara Pechansky
Cícero Dias
Carlos Tenius
Britto Velho
Bina Monteiro
Bez Batti
Armando Romanelli
Antônio Soriano
Antônio Maia
Aldemir Martins
Adelson do Prado
Antônio Maciel
Antônio Soriano
Armando Gonzales
Augusto Rodriguês
Beth Mello
Bez Batti
Bina Monteiro
Britto Velho
Carlos Tenius
Cícero Dias
Clara Pechansky
Cleuza Soares
Cosme Martins
Daltro Borowski
Darcy Penteado
De Curtis
Domenico Lazzarini
Edy Gomes Carollo
Elizethe Borghetti
Ênio Pinalli
Enrico Bianco
Erico Santos
Escola Européia
Evans Fodrini
Fang
Fernando Baril
Francesco Brunocilla
Francisco Brilhante
Francisco Stockinger
Frank Schaeffer
Hilda Mattos
Iberê Camargo
Iná Fantoni
João Faria Vianna
José Moraes
José Paulo Moreira da Fonseca
Juarez Machado
Juliano Lopes
Júlio Ghiorzi
Kazuo Wakabayashi
Kenji Fukuda
Luiz Maristany
Marcelo Grassmann
Marcelo Hübner
Maria Tomaselli
Milton da Costa
Omar Petrelly
Patrícia Bohrer
Paulo Amaral
Paulo Houayek
Paulo Marinho
Regina Silveira
Ricardo Schulz
Rubens Gerchman
Sansão Pereira
Sérgio Lopes
Silvio Azamor
Siron Franco
Suzana Sommer
Suzi Etchepare
Tomie Ohtake
Vasco Prado
Vitório Gheno
Contato
  Armando Romanelli

Romanelli (1945)

Nascimento

1945 - Rio de Janeiro RJ - 20 de janeiro

Carioca, é um pintor de refinada sensibilidade, dono de um estilo pessoal que se destaca pela elegância formal e pelo lirismo com que trabalha suas cores. Em plena maturidade artística, ele continua fiel ao figurativo impressionista que o projetou para o sucesso e tornou valiosa sua assinatura no mundo das galerias, leilões e dos colecionadores particulares de obras de arte.
Sobre um desenho rigoroso e sintético, Romanelli distribui a sua orquestração de cores, animado por um sentimento alegre e profundo da natureza. Dispensando os detalhes de figuração que fariam dele um realista Romanelli institui a primazia das cores e do ritmo, arquitetando os planos de cada tela pela modulação das tonalidades, superexpondo luzes emocionadas, ampliando a liberdade de sua mão de artista pelo aumento das massas pictóricas e pelo movimento descontraído de sua espátula. O romantismo do artista porém não exclui um poderoso senso de organização pictórica, que dá a cada quadro um firme equilíbrio de composição e uma clara definição dos elementos formais. Apesar de ser um apaixonado pelo seu ofício Romanelli não se dispersa em excessos. Suas exposições fora do Brasil (Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, França e Portugal) lhe renderam o reconhecimento internacional de que goza hoje.
A seguir damos alguns momentos importantes de sua carreira: retratos de todos os presidentes do Supremo Tribunal Federal até 1972; painel do Supremo Tribunal Federal (1973); acervo do Banco do Brasil nas gerências gerais de Singapura, Atlanta, Miami, Nova Iorque, Zurique e Barcelona; Museu Adolpho Bloch; Pinacotecas: Atlantic, do Grupo Bozzano Simonsen, do Banco Safra, da Varig, da Fundação Roberto Marinho, da ETE (Empresa de Telecomunicações e Eletricidade); entre outras.
Às vésperas da edição de seu segundo livro, a imortalidade de sua obra é uma certeza dos que acompanham a evolução da pintura brasileira.

< Voltar  .:.  Home >